google-site-verification=XWm5-ie7jtuIvxhkMX9Z60iXSuGOt9EX7CNTQDtQJTY
 

 

 

Os psicólogos cognitivos sugerem que o TOC ocorre quando um indivíduo interpreta erroneamente os pensamentos intrusivos ou insiste como um sinal que não só prejudicará, mas que podem ser responsáveis ​​por isso pelo que eles fazem ou o que eles não conseguem fazer. A TCC procura ajudar o indivíduo a entender que seu problema é uma ansiedade em vez de um perigo e reagir em conformidade. Também tentará a superar a necessidade de certeza e a alterar os critérios que podem usar para rescindir uma compulsão (por exemplo, quando "me sinto confortável" ou "apenas certo").

Os indivíduos com TOC estão, portanto, tentando muito evitar danos. Suas soluções tornam-se parte do problema. Por exemplo, uma mãe pode tentar suprimir ou neutralizar pensamentos intrusivos sobre esfaquear seu bebê. Isso aumenta a frequência de pensamentos intrusivos.

O problema não é o pensamento intrusivo, mas o significado que um indivíduo com TOC atribui a eles. Por exemplo, "ter tais pensamentos significa que eu poderia agir sobre eles" ou "eu não deveria estar tendo tais pensamentos". Isso aumenta o grau de ameaça e responsabilidade sentida, e levará a pessoa a evitar ter facas em torno de sua cozinha ou estar sozinha com seu bebê. Isso continuará a manter seus medos e impedirá que a pessoa demonstre que seus medos são apenas "pensamentos".

Quando uma pessoa está recebendo acompanhamento com um psicólogo, o ingrediente mais importante é o dever de casa que deve ser feito entre as sessões. O terapeuta só pode atuar como um guia ou professor e quanto mais o paciente praticar por conta própria, mais cedo ele melhorará. 

 Diferentes terapeutas podem colocar uma ênfase diferente nos aspectos "cognitivos" ou "comportamentais" do TOC. Uma abordagem mais "cognitiva" focalizará o significado que você atribui às suas obsessões (por exemplo, "porque eu tenho pensamentos sobre ser pedófilo, isso significa que eu poderia agir sobre eles e eu sou mau por tê-los"). Você trabalhará com seu terapeuta para procurar uma compreensão alternativa dos pensamentos intrusivos e uma maneira diferente de responder a eles.

Uma abordagem mais "comportamental" pode enfatizar a educação sobre a ansiedade, como a ansiedade é experimentada no corpo, como enfrentar os seus medos pode aumentar, mas depois tornar-se mais fácil cada vez que você repete as atividades que você está evitando.

Prevenção de exposição e resposta (EPR)

A EPR é usada como parte da TCC. Envolve confrontar repetidamente situações temidas que geralmente são evitadas (um processo chamado 'exposição'). Para que o tratamento seja bem-sucedido, a exposição precisa ser longa o suficiente e durante um período de tempo prolongado para que a ansiedade desapareça. O medo precisa ser constante e a exposição deve ser repetida muitas vezes para que o indivíduo se torne dessensibilizado e aclimatado à ansiedade e aos estímulos. A exposição precisa ser feita sem realizar uma compulsão (um processo chamado 'prevenção de resposta') e, dessa forma, permite que a pessoa tolere o desconforto que ocorre. Se uma compulsão for realizada, então a exposição deve ser repetida para "desfazer" a compulsão até que o indivíduo tenha se aclimatado ao medo e capaz de tolerá-lo.

Ao usar psicoterapia cognitiva-comportamental com EPR, um indivíduo avalia a ansiedade e cria uma hierarquia pessoal. Isso significa que cada pessoa começa confrontando situações relativamente fáceis e, em seguida, funciona gradualmente até mais difíceis. Enfrentar cada medo torna-se mais fácil e a ansiedade diminui gradualmente. Os efeitos colaterais a curto prazo consistem em ansiedade e angústia, mas estes diminuirão gradualmente e, a longo prazo, o medo diminuirá. Ninguém é forçado a enfrentar seus medos, mas a pessoa com TOC é encorajada a assumir a responsabilidade de elaborar seu próprio programa.

A TCC

É muito importante certificar-se de que a terapia que você recebe é realizada de acordo com as melhores práticas:

  1. Duração da sessão: as sessões devem durar pelo menos 45 minutos, em média, com uma agenda acordada no início de cada sessão. Algumas sessões podem ser mais longas, especialmente se confrontar situações temidas;

  2. Quem pode participar? Dependendo da sua idade e circunstâncias, com o seu acordo, algumas sessões podem envolver pais ou outros membros da família. Às vezes, as sessões podem envolver um cônjuge ou outro membro da família. Isso pode ser essencial para ajudar os membros da família a entender a natureza do TOC, por exemplo, como eles podem ajudá-lo melhor, não acomodando seus rituais e dando-lhe garantia;

  3. Conteúdo das sessões: o conteúdo deve permanecer focado no problema do TOC pela maior parte do tempo na maioria das sessões (embora às vezes outras questões possam ser tratadas mais tarde na terapia);

  4. Definição de objetivos: o terapeuta deve ajudá-lo a desenvolver e trabalhar um conjunto acordado de objetivos para e após o tratamento. Estes devem ser específicos e realizáveis ​​e descritos em termos do que você fará (p. Ex. Para segurar meu bebê, sentar-se em um assento no banheiro público);

  5. Uma explicação de como seu TOC funciona: você deve ter uma explicação clara e explicação de como seu TOC funciona, o que o mantém em andamento e, portanto, o que você precisa fazer para superá-lo. Isso geralmente é chamado de "uma formulação" e pode consistir em um diagrama;

  6. Exposição auxiliar com terapêutica: o terapeuta deve fazer pelo menos alguma exposição ou experiências comportamentais com você nas sessões para testar suas previsões e permitir-se experimentar ansiedade. Idealmente, isso deve ocorrer pelo menos uma vez em sua casa ou onde o TOC é pior. Alternativamente, o terapeuta pode demonstrar a tarefa de exposição primeiro na sua frente. Você deve se sentir envolvido neste processo, e não apenas ser informado para fazê-lo;

  7. Trabalhos de casa negociados: o terapeuta deve negociar tarefas de tarefas relevantes para fazer entre as sessões. Isso também é provável que consista em tarefas de exposição ou experiências comportamentais para testar suas previsões e devem ser relevantes para atingir seus objetivos. O resultado dessas tarefas deve ser registrado e revisado quando você se encontrar;

  8. Incentivou-se a fazer exposição: você deve ser consistentemente incentivado ou solicitado a realizar atividades que envolvam expor-se a atividades, situações ou pensamentos que você evita. As dificuldades devem ser discutidas e um plano de ação acordado é feito cooperativamente;

  9. Incentivou-se a resistir a seus rituais: você deve ser consistentemente encorajado e apoiado para resistir rituais (por exemplo, o desejo de buscar reafirmação ou "verificar" ou "colocar as coisas corretas");

  10. Mantenha um registro do resultado: o terapeuta deve ter algum registro de resultado (por exemplo, por um questionário ou escala de classificação) que é específico para seu TOC.

  11. Relacionamento com seu terapeuta: deve haver uma relação boa com seu psicólogo em quem você possa confiar. O terapeuta geralmente deve ter grandes expectativas quanto à sua capacidade de mudança. O psicólogo é sempre encorajador e positivo sobre sua capacidade de fazer melhorias, vendo problemas como forma de aprender melhores maneiras de lidar com o TOC.

 

TCC também pode envolver:

  • Manter resumos escritos de sessões e sua lição de casa.

  • Ser recomendado ou fornecer material de leitura apropriado.

  • Perguntas do seu terapeuta para resumir o que aprendeu.

A TCC é desafiadora e, às vezes, pode parecer que há muita dor por pouco ganho. A terapia é um processo de aprendizagem e leva tempo, paciência e prática, mas lembre-se, provou ser bem-sucedido para muitas pessoas e manter-se com isso pode significar uma diferença real para sua vida.

 

 

 

 

 

 

 

 

  •  

 

TOC e Terapia Cognitiva

Marque a sua consulta

Parabéns! Sua mensagem foi recebida.